No Caminho do Rock

A afinidade e a paixão pelo rock reuniu em Porto Alegre cinco caras e uma ideia fixa: criar, tocar e viver da música. No verão de 2002, a Vera Loca gravou seu primeiro álbum “Meu Toca Discos se Matou”, com produção de Duca Leindecker. A partir daquele ano, o grupo formado por Fabrício Beck (vocal e guitarra), Hernán González (guitarra), Filipe “Mumu” Bortholuzzi (contrabaixo e vocal), Luigi Viera (bateria) e Diego Dias (acordeón, teclados e vocal) provou que o rock gaúcho estava mais vivo do que nunca.

Em meio à gravação do 1º CD a banda ainda precisava de um nome. Os integrantes ainda não haviam chegado num consenso. Optaram por “homenagear” a vizinha do andar debaixo do prédio onde ensaiavam, que reclamava do barulho 24 horas por dia.  A banda perguntou ao porteiro quem era a vizinha “loca”. Ele disse: “Vera!”. Surgia assim o nome Vera Loca. O primeiro sucesso foi “Maria Lúcia”, do álbum “Meu Toca Discos Se Matou”, que emplacou em várias rádios.

Em 2005, a banda lançou “Distúrbios do Amor e Rock’n’roll”, também produzido por Duca Leindecker. Este segundo álbum é mais clássico, beirando ao hard rock. “Suadinha” é um bom exemplo da explosão deste trabalho. Guitarras pesadas e um vocal poderoso, gritado e literalmente suado, elevaram a Vera Loca ao status de grande banda. “A Despedida”, “A Vida é de Graça” e “Palácio dos Enfeites”  foram bem executadas em rádios e continuam entre as mais pedidas nos shows.

Em 2008 a banda lançou “Vera Loca III”. “Velocidade” foi a faixa escolhida para o primeiro clipe, gravado durante a tournée da banda pela Argentina. “Aos Meus Amigos”, última faixa do disco, virou uma espécie de hino. O ponto alto do CD porém, é o mega-hit “Borracho y Loco”, versão de “Lamento Boliviano”  – clássico do rock argentino pela banda “Los Enanitos Verdes”. O single estourou nas rádios do sul e tornou a Vera Loca definitivamente reconhecida. Já são mais um milhão de visualizações do clipe no YouTube. O disco “Vera Loca lll” foi uma das 10 melhores capas de discos lançados em 2008 em enquete realizada pela Revista Época.

Em 2011 a banda lançou seu quarto álbum de estúdio. O título “Parece Que Foi Ontem”, faz uma alusão ao tempo de estrada da banda, que completou dez anos em 2012.  O disco foi gravado e mixado no Estúdio AudioFarm e masterizado no Magic Garden Masterin, nos Estados Unidos, por Brian Lucey, que masterizou também para o grupo The Black Keys. Após um terceiro disco com muitos violões, “Parece Que Foi Ontem”  se caracteriza por arranjos fortes, marcantes, mostrando a personalidade rock da Vera Loca. “Cuidado Ana” foi a primeira faixa a ser executada nas rádios, ganhando inclusive uma versão acústica.

Em 2012 a banda ingressou no cast da produtora Lado Inverso, dando o start para seu projeto mais ambicioso: a gravação ao vivo do primeiro DVD do grupo. O show histórico que reuniu o que de melhor a banda produziu em seus dez anos foi gravado em 15 de novembro de 2012, num Bar Opinião totalmente lotado em Porto Alegre. Mais de 1.400 pessoas vibraram e cantaram todos os maiores sucessos da banda, numa comemoração inesquecível desta primeira década de carreira.

O primeiro single do álbum  “Ao Vivo”  foi lançado em maio de 2013 e logo obteve ótima aceitação nas rádios e imediatas visualizações no YouTube.  “Graffiti” é uma versão para um sucesso de outra banda argentina  (Inmigrantes).  O CD e DVD, o primeiro registro ao vivo do grupo, foi lançado em setembro de 2013. Desde então a banda está em tournée divulgando esse trabalho.

Em 2014 a agenda da banda seguiu concorrida. Em maio a Vera Loca apresentou o show “Acústico” no Theatro São Pedro, em Porto Alegre, com lotação esgotada. Gravado ao vivo, se transformou no primeiro álbum desplugado da Vera. O primeiro single, “Sol a Sol”, chegou às rádios em outubro e o CD foi lançado em novembro.

A banda também participou do projeto “Espelho Retrovisor”, uma coletânea-tributo  lançada virtualmente pelo site Scream&Yell. Se trata de uma homenagem ao 30º aniversário dos Engenheiros do Hawaii e reúne mais de 15 regravações de músicas da banda. A Vera Loca foi um dos convocados e teve sua gravação para  “Parabólica” escolhida como um dos singles da coletânea.